Imagine a cena: você está lá em seiza, de olhos fixos no sensei que demonstra um técnica que deve ser executada depois. Se tiver sorte poderá estar focado no movimento dos pés, das mãos, na reação do uke, se é omote, se é ura, soto ou uchi. No geral, está muito feliz em conseguir identificar de qual técnica se trata. O sensei repete muitas vezes e você, intimamente, pensa: "entendi!". Aí se levanta, cumprimenta o parceiro e... nada. Na - da. Não lembra nem como começar a técnica, muito menos os outros detalhes. Pode parecer muito frustrante mas é muito comum, praticamente todos já passaram por isso algum dia, principalmente quando eram iniciantes. E o que fazer quando isso acontece? O melhor conselho que já recebi para esses casos foi: procure o sensei. Ele vai indicar a você exatamente o que deve ser feito, e de uma maneira que você consiga entender. Mas pode acontecer de existir muitas outras pessoas na mesma situação, ou o sensei estar muito longe ou em um seminário grande. Nessas situações, talvez não seja possível esperar uma atenção especial e é importante adotar outras estratégias para que o treino não fique parado. Algumas dicas:

Calma - não se desespere. Isso é uma fase, há muita coisa para absorver de uma só vez.

Observe os colegas - em boa parte dos dojos, faz parte da cultura que o aluno mais antigo inicie o treino em duplas ou em grupos. Isso permite que os alunos mais novos vejam mais uma vez a técnica e que a sintam ser aplicada. Pode ajudar e muito a entender o que se deve fazer.

Aproveite a dúvida dos outros - pode acontecer que você não tenha chance de perguntar sua dúvida mas alguém sim. então é bom parar e observar a resposta do sensei.

Só tire dúvidas com o sensei ou o instrutor - é sempre bom evitar fazer perguntas ao seu parceiro de treino, a não ser que seja algo muito rápido e básico (como "é um tenkan?"). Isso evita haja pessoas dando verdadeiras "aulas" paralelamente ao sensei, o que, além de desrespeitoso, pode povocar uma distorsão na técnica a ser treinada. Duas pessoas raramente tem a mesma interpretação e compreensão do que lhe é ensinado e o que meu colega me ensina é somente o que ele pôde captar da demonstração.
Escolha um detalhe para estudar - se estiver impossível de captar tudo, procure apenas um detalhe da técnica para treinar. Pode ser a movimentação, a fluidez ou até mesmoa intenção. Mesmo quando acreditamos estar apreendendo tudo, muitos aspectos da técnica ficam de fora. Aos poucos, observar fica bem mais fácil porque grande parte dos princípios já foi incorporada (depois de um tempo você não precisa mais fazer a associação mental irimi tenkan = um passo e um giro pelas costas).

Seja tolerante - nenhuma arte marcial é fácil e o estímulo está também nos desafios e em aprender mais e sempre. Pense no que foi aprendido e não no que se perdeu no treino.


*Tradução livre: 
o sensei: Todos agora vão praticar Yokomenuchi kotegaeshi kataneru...
o aluno: yoko o quê!?
a aluna: significa que você vai tentar me acertar acima da orelha, então vou torturar seu pulso e depois seu braço inteiro no chão...

Comments (2)

On 14 de setembro de 2009 20:38 , Jonas disse...

haha, o começo é mesmo perturbador, sem falar que o shihonage mais parecia uma dança de balé hahaha...

adorei o blog, aprendi muito com ele, parabéns
beijos

 
On 25 de setembro de 2009 09:19 , Soraya disse...

Oi, Jonas!

Haha, é isso mesmo... Como é difícil, não? obrigada pela visita. Abraço!!