Hoshi Sato é a oficial de comunicações na nave Enterprise da série Star Trek: Enterprise. Na série, a personagem de Linda Park é humana, nasceu em Kyoto, no Japão, e estudou línguas na Universidade do Amazonas, no Brasil. Ao contrário da personagem Natasha Yar, que não tinha graduação explícita, a oficial Sato é faixa preta de aikido. No episódio "Observer Effect" (4a temporada, no ar em 21/01/2005), ela foi expulsa da frota estelar por quebrar o braço de seu comandante depois de uma discussão sobre um jogo de pocker. Só foi readmitida por causa do seu grande talento em entender linguagens alienígenas, chegando mesmo a criar um tradutor universal.


O aikido está nos dojos, está na vida das pessoas e está na web! O blog Onegaishimasu é fruto dessa revolução eletrônica que está passando por um ápice e que permite, entre outras coisas, o compartilhamento universal de informações antes local ou temporalmente restritas. Por isso, para a estréia da seção "Aikido na Web", foi escolhido o site "Saito Sensei-From Iwama to the World", que representa bem este conceito. Veja a definição (tradução livre) da autora, Patricia Yarrow:

"Saito Sensei foi extremamente bem fotografado para seus livros e vídeos. Contudo, nossa proposta central é compartilhar fotos e memórias mais pessoais e informais. Vamos utilizar imagens e histórias para nos lembrar que pessoa multifacetada Saito sensei foi e os muito bons momentos que compartilhamos ao longo do aiki-michi."

Morihiro Saito sensei foi um dos mais famosos alunos do fundador Morihei Ueshiba e é considerado aquele que mais tempo passou a seu lado. O resgate das imagens de sua vida privada é importante também uma vez que sua prática deu origem a um estilo diverso, o Iwama Aikido, que tem discípulos no mundo inteiro. Patricia Yarrow fundou o site em 2002 e desde então conta com a colaboração de pessoas das mais diversas partes que, por vezes, estiveram com Saito sensei recebendo dele próprio as fotografias e que, portanto, não são encontradas em publicações impressas ou em vídeo. Há também uma seção com pequenas passagens da vida do sensei, mas a maior parte consiste de imagens suas em situações tão informais quanto num banho de cachoeira ou com a família, como clássicas, sendo uke do O-Sensei Morihei Ueshiba. Vale a pena!



NOTA: a página da Patricia é fruto do esforço de um grande número de pessoas que decidiram compartilhar uma parte de si. Se usar alguma imagem ou texto dessa fonte (ou de qualquer outra!), a citação da referência seria um ato de respeito, além de direcionar outras pessoas a um site muito importante. Além disso, ela guarda um registro histórico das pessoas que estiveram em Iwama. É só enviar um e-mail para ela com data da visita e tempo de estadia na cidade e/ou dojo. Mais informações no site.

Oss é a contração da expressão ossushinobu, formada pelos dois caracteres acima, que literalmente quer dizer "suportar pressão". A primeira parte da expressão (pressionar) representa o espírito combativo, o desejo de vencer obstáculos; a segunda (sofrer) simboliza a coragem e o espírito de perseverança. Como um kiai, deve ser pronunciado com a força do hara e não somente pela garganta. Apesar de ser uma expressão pouco pronunciada nos dojos de aikido, representa a alma da arte do karate-do a ponto de ser utilizada com sentidos tão diversos como "bom dia", "desculpe", "sim", "obrigado", "entendi". Na verdade, pode ser empregada em qualquer situação onde se requeira uma resposta. Quando em conjunto com o cumprimento tem o sentido de confiança e respeito ao colega e de que está preparado para aprender com ele e o sensei.

...aliás, acontece o tempo todo... Nesse dia, a aluna entra atrasada na aula do sensei. Faz o zarei, pede permissão para entrar, alonga e aquece procurando não chamar atenção para si. Como a aula é de aikijo, vai rapidamente e em silêncio até o suporte das armas para pegar a sua, encosta de leve nas que sobraram e...



...derruba TODAS pelo tatame!
Para a maioria dos aikidocas, dojo é basicamente o lugar de treinar aikido mas, segundo as tradições budistas, significa "local de iluminação", sala ou salão onde os monges praticavam meditação, respiração e disciplinas relacionadas. No período Edo (séculos XVII a XIX), houve uma certa difusão da espiritualidade nas artes marciais e o termo passou a ser utilizado também como o "local (jo) do caminho (do)" e designar o lugar de prática. Originalmente, o dojo era um local fechado e recolhido, onde cada escola defendia suas cores e guardava cuidadosamente suas técnicas que eram repassadas a cada geração de discípulos. O dojo moderno conservou esse espírito do secreto que, por extensão, se transformou em sagrado.

Na versão mais atual, os dojos podem se situar em ginásios e academias e nem todos possuem o conjunto completo de elementos encontrados nos espaços mais tradicionais, ou ainda estes podem ser ligeiramente modificados para se adequar à estrutura física disponível. Além dos espaços "administrativos" (vestiário, secretaria, quadro de avisos, espaço de convívio), possuem a área de prática propriamente dita, que consiste no conjunto de tatames, esteiras de palha ou borracha ou espuma recobertos com lona. Esta área (quadrada ou retangular) tem sempre a mesma estrutura básica:



kamiza ou shomem - lado principal que pode conter um kamidana (pequena réplica de altar shintoísta), a foto do fundador e caligrafia emoldurada. Esse espaço é reservado ao sensei, instrutor ou convidado. Ao entrar e sair do dojo é ao kamiza que se deve dirigir o ritsurei (reverência de pé).

shimoza - o lado oposto ao kamiza é destinado aos estudantes, que se sentam em fileiras de acordo com a graduação. Os alunos mais avançados ficam perto do lado superior (joseki) e os iniciantes no lado inferior (shimoseki), mas essa orientação é frequentemente invertida no ocidente e devido ao número de alunos, alguns dojos podem alinhar yudanshas e não-yudanshas em fileiras separadas. É do shimoza que os alunos devem observar o sensei durante o yame (pausa) e para onde devem se dirigir no naore (descanso ou intervalo).

joseki - lado superior, à esquerda do kamiza. Esse lado pode ser ocupado pelo assistente do sensei na aula e ainda pelo sensei ou instrutor se o kamiza estiver sendo usado em cerimônias ou com visitantes importantes.

shimoseki - lado inferior, à direita do kamiza.



Mesmo em eventos que reúnem um grande número de praticantes, como seminários e koshukais, e que por isso são realizados fora dos dojos, é comum que se observe a mesma distribuição, sempre seguindo a orientação a partir do kamiza. Nesses casos, normalmente o kamiza possui fotografias devidamente emoduradas do O-Sensei e elementos típicos da cultura japonesa, como ikebana, taiko e armas (bokken, tanto e jo).

Cada dojo pode possuir também elementos particulares como área para espectadores, painel com nomes de instrutores e alunos, pequenos jardins, acomodações para uchi deshis (alunos internos) ou ainda uma segunda área de prática, além de sua própria cultura e código de etiqueta.


  • Mae kaiten - rolamento para frente

  • Mae yoko - rolamento frontal com finalização lateral

  • Ushiro hanten - queda* para trás com parada

  • Ushiro kaiten - rolamento para trás com giro completo

  • Ushiro mae kaiten - rolamento de mae kaiten para trás

  • Ushiro mae yoko - rolamento de mae yoko para trás

  • Ushiro otoshi - queda* de costas

  • Ushiro yoko hanten - queda* para trás com finalização lateral com parada

  • Ushiro yoko kaiten - rolamento para trás com finalização lateral


*para seguir o padrão encontrado na língua inglesa, onde há diferenciação entre os termos queda e rolamento (front roll, back fall).

Todo viciado em aikido apresenta um ou mais desses sintomas:

- diz "hai!" para o chefe, professores, pais..

- treina katas com o cabo de vassoura...

- evita passar pela frente das pessoas...

- treina kote gaeshi no marido/esposa, namorado(a), irmãos...

- faz reverência ao entrar nos locais...

- faz mae ukemi na grama e fica se coçando depois...

- treina suburis de jo com o hashi no restaurante e com o cabo da vassoura em casa...

- a maioria dos seus livros incluem autores como Kishomaru Ueshiba, Stanley Pranin...

- aprende a lavar, passar e dobrar seu dogi mas não sabe o que fazer com suas camisas...

- passa pano no tatame mas nunca limpou sua casa...

- a maioria dos seu amigos sabe o significado de tanto, ukemi, atemi, suburi, kata...

- sempre pergunta ao médico em quanto tempo pode voltar a treinar...

- frequenta mais seminários que eventos da família...

- quando vai viajar verifica se tem algum dojo por perto para treinar durante esse período, ou para visitar e conhecer o sensei local... (Sheila Morassi)

- seu "favoritos" está cheio de blogs como esse...

- já está pensando em como aumentar essa lista (nos comentários ou e-mail)...


*Este é o título de uma comunidade no orkut e de alguns sites da web.
Shikko



"Andar de joelhos. Uma forma de andar de joelhos a partir do seiza (ou posição sentada) desenvolvida para dar equilíbrio, estabilidade nos quadris e preparar o aluno para a execução de técnicas em suwariwaza."

Enciclopédia do Aikido, do sensei Stanley Pranin (tradução livre)



Na cultura tradicional japonesa, não é permitido ficar de pé enquanto a pessoa de maior posição social (ou o convidado deste) permanece sentado. Uma vez que os servos, inclusive o samurai, tinham de se movimentar de joelhos enquanto seu senhor estivesse no ambiente, é fácil compreender como o shikko foi desenvolvido, a ponto de praticarmos hoje no aikido toda uma categoria de técnicas nessa posição (suwariwaza e hanmihandachi waza).

Para executar o shikko corretamente é preciso alguma dedicação e persistência, uma vez que não é um andar natural para a maioria das pessoas mas, basicamente, é necessário que os pés estejam sempre juntos e embaixo dos quadris. Os quadris movimentam os pés, não o contrário. Além de andar para frente, é possível fazer giros (tenkan, tenkan ho) e andar para trás (ushiro), sendo que estes dois últimos movimentos podem ou não ser praticados conforme a orientação de cada sensei. A posição das mãos também varia, podendo permanecer à frente do corpo, na faixa ou ainda repousado nas pernas. O treino do shikko começa cedo, sendo uma das primeiras movimentações que o aluno aprende na maioria dos dojos. Há vários vídeos de demonstração de como praticar mas o melhor é verificar como se executa em seu dojo e repetir muito...

O modo com cada um vê a arte que pratica, assim como a própria prática, vai se modificando a medida que o tempo passa, então todo o conteúdo do Onegaishimasu reflete a pesquisa e o meu ponto de vista pessoal. Para compartilhar experiências de outros aikidocas com diferentes graduações e tempos de prática, a partir de hoje haverá a seção "Contribuição do Leitor". Este é o primeiro da série de textos que podem ser temáticos, como o da Sheila, de experiências pessoais, da seção "Aconteceu no Dojo..." ou mesmo de perguntas.





Sheila Morassi é minha amiga e colega de dojo, além de ter sido a primeira pessoa a concordar em colaborar com o blog. Ela treina aikido há poucos meses, ainda não fez seu primeiro exame e se sente melhor em treinos com armas, talvez por isso tenha sido um tema do seu texto. Obrigada, Sheila!

"O Espírito do Samurai

É incrível quando você percebe que está começando a interiorizar todo o aprendizado que esta adquirindo dentro do dojo e sente a verdadeira essência do Aikido. Você irá perceber isso principalmente quando assistir o Último Samurai e se emocionar durante todo o filme. Sua perspectiva mudou, você adquiriu sensibilidade e informações suficientes para enxergar as nuances do filme.
O Aikido, como a maioria das artes marciais japonesas tem sua filosofia também amparado no Bushido (武士道 caminho do guerreiro), que é o código de conduta dos Samurais, que se baseiam em 7 virtudes que deveriam ser básicas e inerentes a qualquer povo minimamente civilizado.

Virtudes do Bushido
1. GI - justiça e moralidade, atitude direta, razão correta, decidir sem hesitar;
2.YU - coragem, bravura heróica;
3.JIN - compaixão, benevolência, simpatia, amor incondicional para com a humanidade;
4.REI - polidez e cortesia, amabilidade;
5.MAKOTO - sinceridade, veracidade total, nunca mentir;
6.MEIYO - honra, glória;
7.CHUGO - dever e lealdade, devoção.

Para manter vivo o espírito do samurai temos no Aikido a aula de armas utilizando o bokken, espada de madeira que simula uma katana e o jo, bastão longo de combate. Na aula de armas desenvolvemos habilidades que nos ajudarão mais tarde até mesmo no nosso dia a dia, como equilíbrio, concentração, disciplina, destreza nas esquivas.
Desenvolvemos essas habilidades mais rapidamente na aula de armas por um motivo muito simples, temos sempre que ter em mente que estamos com uma arma na mão, e mesmo sendo armas de treino, ou seja, de madeira, podemos nos ferir e ferir nossos companheiros de aula.
Com uma arma na mão nos sentimos verdadeiros samurais ,e como samurais devemos honrar todo esse aprendizado que recebemos tendo muito respeito pelo dojo, pelo sensei e por todos os nosso colegas de aula. E faremos um bem para nós mesmo e para as pessoas ao nosso redor se levarmos todas essas virtudes para nosso dia a
dia, sempre buscando a paz e a harmonia em nosso cotidiano."
Ficarei muito feliz de receber sua colaboração: onegaishimasu.blog@gmail.com. Fico comprometida a editar pouco os textos, somente para adequar ao padrão do blog, como ortografia de algumas palavras, formatação de termos estrangeiros, etc. Todos podem participar, de qualquer graduação, estilo ou localidade. A idéia é ter diversidade mesmo...

Aparentemente, existe uma certa polêmica a respeito da maneira correta de cuidar do hakama. A maioria das pessoas prefere dobrá-lo sempre ao final do treino mas não existe consenso sobre o que fazer quando fica sujo ou quando está muito desbotado e/ou rasgado. Abaixo, sugestões recolhidas ao longo dos anos de como manter o hakama sempre com cara de arrumado.


Conservação dos vincos

Alguns tipos de tecido perdem os vincos da dobras mais facilmente mas todos se conservam melhor se o hakama for dobrado sempre no fim de cada treino. Quem tem mais de um costuma deixar o que não está em uso pendurado num cabide ou varal por algumas horas antes de dobrá-lo novamente. Pode ser necessário passar se for tingido ou lavado em máquina.


Lavagem*

Manual - adicione um pouco de sabão ao tanque ou bacia grande cheios e mergulhe o hakama. Esfregue bem e enxágue até sair todo o sabão. Estenda no varal à sombra prendendo pelo koshita. Quando secar, é só dobrar.

Máquina de lavar - apesar de ser rápido e prático, danifica um pouco o koshita (parte rígida das costas). Para minimizar os danos coloque somente o hakama na máquina, pouco sabão e ajuste para o programa de roupas delicadas. Para secar, use o mesmo procedimento da lavagem manual.

Lavagem a seco - é preciso levar a uma boa lavanderia e explicar que as dobras devem ser conservadas, então é necessário que o hakama fique dobrado uns dias antes. Caso contrário, talvez seja necessário refazê-las usando um ferro de passar. Tem a desvantagem de ser caro.


*algumas pessoas pregam que o hakama (e a faixa) não deve ser lavado mas é só verificar seu estado após o treino para que eu discorde...


Tingimento

Quando o hakama atinge um certo grau de desbotamento pode ser um boa ideia tingí-lo. Algumas lavanderias especializadas fornecem este tipo de serviço mas também é possível fazer em casa. Nesse caso, só é necessário um dose de habillidade e seguir as instruções do fabricante da tintura. Para que os keikogis não fiquem manchados depois, é bom usar um fixador de cor ou fazer a última lavagem com uma solução de sal de cozinha.


Cuidados especiais

Remendos - existe uma idéia de que dogis com aspecto de velhos trazem algum respeito a quem os usa, indicando um grande frenquência de treino, mas os hakamas tendem a se rasgar principalmente na área dos joelhos e é muito difícil fazer um conserto que seja útil por muito mais tempo. É diferente para pequenos rasgos e costuras que se rompem (já vi uma cena engraçada assim), que podem ser facilmente ser arrumados por uma boa costureira.

Desbotamentos - algumas marcas produzem hakamas artesanalmente e que soltam muita tinta durante o treino deixando dogis (de quem os usa e dos outros) manchados. Para evitar que isso aconteça, é preciso fazer boas lavagens (2 ou 3 normalmente são o bastante) antes do uso e aplicar um fixador de cor. Existe fixadores comerciais das principais marcas de pós para tingimento mas uma solução de sal de cozinha também funciona bem.

Reposição do koshita - se acontecer que o koshita seja deformado por algum motivo, pode ser necessário trocá-lo. No Brasil não é muito comum encontrar esse tipo de peça para reposição mas em sites internacionais é possível achar facilmente.

UPDATE: algumas pessoas perguntaram o quanto se pode lavar o hakama. Essa é uma questão pessoal, cada um tem (ou não) a sua própria frequência. Quando eu tinha dois hakamas, podia sempre ter um limpo para quando necessitasse viajar ou visitar um outro dojo, além do que o desgaste dos dois era bem pequeno. Com um apenas, tento lavar apenas uma vez por mês ou mês e meio porque é usado uns cinco dias por semana mas há quem lave o seu uma vez por semestre, ano ou mesmo não lave.


O post do dia era outro mas ao encontrar esse texto não pude deixar de compartilhar... É um relato tocante do sensei Gaku Homma (e tradução de William Soares) no Aikido Journal de um dia típico na vida do O-sensei Morihei Ueshiba. O sensei Homma tinha então 18 anos, morava no dojo da cidade de Iwama e era aluno do fundador. Boa leitura!



Este é um tema recorrente sempre que fazemos uma demostração ou workshop. Há algumas perguntas que sempre são feitas e "Aikido defende contra chutes?" é uma delas. Mesmo entre praticantes existe a dúvida sobre porque treinamos tão pouco com essa categoria de atemi. A resposta mais simples é que esse tipo de treino exige, tanto do uke quanto do nage, um pouco mais de habilidade, tanto para desferir os atemis quanto para cair, então é basicamente restrito a classes mais avançadas. Atemis não são exatamente a especialidade dos aikidocas, é preciso muito treino para socar ou chutar corretamente sem lesionar pulso, tornozelo ou dedos. Além disso, praticamente todas as técnicas que aplicamos visando pulso, cotovelo e ombros podem ser aplicadas no tornozelo, joelho e quadril. Uma técnica contra mae geri, por exemplo, pode ser mais facilmente entendida e treinada contra um tsuki. Nesse caso por exemplo, o que importa é o ataque vindo na direção horizontal e no sentido do nage e não que tipo de ataque é esse.
UPDATE: este é um vídeo que mostra algumas técnicas contra chutes. Apesar do título, claramente os dois praticantes são aikidocas e não há intenção de comparar o aikido a qualquer outra arte marcial, alerta que faz também o blog AikidoRJ, onde vi o vídeo.
O último post publicado foi a respeito do hakama, vestimenta utilizada em artes marciais como Aikido, Kendo, Kenjutsu e Iaido. Como complemento, aqui está uma das muitas maneiras de como dobrar e finalizar o laço do hakama. Cada pessoa pode ter a sua forma particular de executar todo o processo mas muitos senseis recomendam que seja feito em silêncio e com atenção somente na tarefa. Alguns afirmam que dois minutos e meio é tempo mais que suficiente...

A imagem apresenta um diagrama esquemático de como dobrar e o vídeo mostra uma forma de fazer o laço final, que é bom para quando se dobra o hakama de alguém porque ele se solta facilmente e evita que a pessoa perca tempo tentando descobrir como desfazê-lo. Esse é uma forma quase clássica, mas nos sites de hospedagem de vídeos (como Youtube ou Yahoovideos) há várias outras formas sendo demonstradas. Procure "folding hakama" ou "como dobrar hakama" e pratique!




video
O hakama atualmente utilizado nas artes marciais é uma calça larga e comprida que possui sete dobras principais que correspondem às sete virtudes do budoka. O hakama do Aikido deve ser feito de material resistente uma vez se treina também de joelhos (suwari e hanmi handachi waza) no tatame e é comprido o suficiente para tocar suavemente os pés. Embora em algumas artes se utilize cores como branco e cinza, no Aikido o mais comum são os pretos e os azuis escuros.



Há vários relatos de antigos alunos do O-Sensei mostrando que ele estimulava (e exigia) todos os seus estudantes a usar o hakama desde o momento em que entravam no dojo e que, no período pós-guerra, quando se tornou muito caro obtê-lo, é que somente os yudanshas passaram a utilizá-lo. Os alunos podiam fabricar seus hakamas com qualquer tecido que conseguissem - imagino como deveria ser alegre um dojo naquela época - ou pegar emprestado com um parente mais velho. Foi exatamente nesse período que o Aikido começou a ser difundido pelo mundo e até hoje cada lugar tem condutas diferentes a respeito de quem usa essa vestimenta. Essa variação é menos uma questão do estilo do praticante do que da cultura vigente do local. Dentro de um mesmo estilo pode haver organizações com diferentes regras a respeito.

Em uma rápida pesquisa no fórum de discussão do Aikiweb pode-se ler praticantes de todo o mundo relatando várias maneiras de se aplicar o uso do hakama nos dojos. A regra geral é que todos os yudanshas o utilizem mas em algumas escolas do estilo Tomiki, por exemplo, também para eles o uso é dispensado. Em alguns locais, o uso é permitido apenas a alunos a partir de determinada graduação (3o. ou 1o. kyu) . Em outros, o uso é exigido a todos desde a primeira aula ou quando realizam o primeiro exame
. Também pode haver regras diferentes mulheres que, em alguns casos, vestem hakama desde a realização da primeira promoção de kyu enquanto que os homens somente na de shodan. Aqui no Brasil, podemos encontrar organizações com todas estes diferentes variações de uso e também a respeito da utilização ou não de faixas coloridas de indicação da graduação de kyu (assunto para outro post).

Em grandes seminários, que contam com a participação de praticantes de diferentes escolas e países, é muito curioso observar esta diversidade uma vez que normalmente cada um segue sua própria etiqueta a esse respeito. Para evitar desentendimentos, sempre que visito um outro dojo ou país, procuro me informar sobre as regras locais e, se for o caso, pergunto ao sensei como devo me vestir para o treino. Agindo assim, penso que demonstro respeito além de ser um bom exercício de tolerância com o diferente.

Algumas pessoas me escreveram a respeito do último post "Aconteceu no Dojo..." comentando como passaram por situações parecidas ao do aluno iniciante. Apesar do tom divertido, todos nós sabemos como pode ser difícil o primeiro dia (e até mesmo as primeiras semanas) em um dojo. Tudo é muito diferente e estamos entrando num universo que tem suas próprias etiqueta e linguagem. É mais ou menos como começar um novo emprego, com o agravante de que não se sabe exatamente o que se vai fazer. Para ajudar, um pequeno manual com o que eu gostaria de ter sabido no meu primeiro dia de treino:


Chegue com antecedência - assim alguém pode indicar o caminho do vestiário, do tatame, ajudar com o dogi e já vai conhecendo a turma. Além do que, se o treino já tiver começado, é mais difícil entrar na aula.

Capriche no alongamento e aquecimento - no outro dia as dores (elas virão) vão ser menores.

Retire jóias e bijuterias - além de evitar machucados em você e nos outros, só quem sofreu um sankyo usando aliança, sabe o quanto dói.

Use chinelos - evita levar sujeira ao tatame onde logo todos estarão colocando seus rostos.

Se o treino for de armas, procure um lugar longe das paredes e pessoas - é impressionante como é fácil acertar o colega ou o kamidana na primeira aula...

Aikidoca não usa saia - já vi um aluno se referir assim ao hakama do instrutor...

Se tiver dúvidas, pergunte - mas vá até o sensei ou instrutor, não o chame de longe. Só ele pode responder, durante o treino evite perguntar aos outros alunos que podem estar tão perdidos quanto você.

Leia as regras de etiqueta - todo dojo tem as suas próprias e o conhecimento delas pode ajudar muito.

Divirta-se! - é a sua primeira aula, não fique preocupado em compreender tudo. Aikido é uma arte que exige sensibilidade e experiência. Isso demanda tempo, o importante é aproveitar o caminho.





Na semana passada, o Michel, leitor do blog, perguntou a respeito da expressão Aikibatto que ele não conhecia e viu em uma discussão no fórum do Aikiweb. Abaixo um pequeno resumo da pesquisa que estive fazendo a respeito (obrigada, Michel!).

O sensei Stefan Stenudd, da Suécia, é professor de Aikido (6o. dan aikikai) e Iaido e criou a expressão Aikibatto para designar um sistema de exercícios de espada desenvolvido para treinamento de aikidocas. Uma parte do sistema consiste de exercícios baseados nos movimentos da arte do Iaido. Utilizando uma katana, são desenvolvidos os suburis básicos em movimentos solo. Em outra, as lutas (kumitachi) no estilo aikiken são desenvolvidas com as duplas utilizando boken (espada de madeira) e ainda com o uke atacando com boken e o nage defendendo com o jo (bastão de madeira). Informações completas com vários vídeos podem ser encontradas no site dedicado ao tema, assim como sobre o livro que o sensei Stennud lançou em 2007.




Muita gente me pergunta se é possível aprender a cair bem ou se é uma questão só de talento. Uma boa resposta foi a de Donovan Waite Sensei em uma de suas várias visitas ao Brasil. Na ocasião, ele disse que, como tudo no aikido, só a prática intensa proporciona bons resultados e que "calma e muita paciência são essenciais porque quando ele vê pessoas querendo fazer tudo rápido, tudo que ele vê são erros".


"Aikido Ukemi " foi originalmente lançado em formato VHS em 1999* e é parte de uma série de 2 vídeos educativos. No primeiro volume (Meeting de Mat) o sensei Donovan mostra muito detalhadamente pontos importantes de rolamentos básicos. Uma série de dicas, explicações sobre postura ao cair e sugestões de exercícios de variados graus de dificuldade fazem do Meeting the Mat meu vídeo sobre ukemis favorito. No segundo (Principles of Giving and Receiving), é discutido o uso rolamentos em técnicas como shihonage e jujinage. Atualmente pode-se encontrar DVDs dos dois volumes disponíveis para venda em sites como o Aikido Today e budovideos.com. Para visualizar a parte do referente a mae ukemi e ushiro ukemi, clique aqui.

*veja que a capa do vídeo (clique na imagem para ampliar) traz a graduação do sensei Donovan com rokudan (6o. grau). Atualmente ele tem o título de shihan e é nanadan (7o. grau).



  • Format: Color, NTSC
  • Studio: Tapeworm Video
  • VHS Release Date: August 27, 1999
  • ASIN: B00000JWWX

...a maior prova coletiva de autocontrole que já presenciei.

Aula começando, aluno novo, pouco mais de duas semanas. Ele nunca havia chegado atrasado, então entrou direto no tatame. O instrutor explica que ele tem de fazer o cumprimento e pede a um aluno mais antigo para ajudar. Não deu tempo. O aluno iniciante vai até o fundo do tatame e diz bem alto com um aceno de mão:

— E aí, pessoal, tudo bem?


A turma, quase explodindo, capricha ainda mais nos alongamentos.

Tenho problemas para deixar a formatação dos posts correta para os usuários do Mozilla Firefox (eu, inclusive), tanto em plataforma Windows como Linux. Acredito que seja algo relacionado ao código Html do template do Blogger mas estou pesquisando a respeito. Por favor, se o texto aparecer bagunçado ou com várias fontes, aceite minhas desculpas pois estou trabalhando para resolver este bug e, se tiver alguma dica, conte o segredo. Obrigada e abraços!


  • Mae geri - chute frontal
  • Mawashi geri - chute circular
  • Shomen uchi - ataque frontal na cabeça com a mão em tegatana
  • Tsuki (jodan) - soco alto
  • Tsuki (chudan) - soco na altura média
  • Tsuki (gedan) - soco baixo
  • Yoko geri - chute lateral
  • Yokomen uchi - ataque lateral na cabeça com a mão em tegatana

Para incluir, corrigir ou perguntar, pode deixar um comentário ou mandar um e-mail (onegaishimasu.blog@gmail.com).
Aqui vai um capítulo de um pequeno glossário de termos usados no aikido. Na primeira parte, as principais "pegadas".

  • Dori (ou tori) - pegar, segurar
  • Eri dori - pegar na gola
  • Hiji dori - pegar pelo cotovelo
  • Kata dori - pegar no ombro
  • Katate dori - pegar uma mão com mão só
  • Morote dori - pegar um braço com duas mãos
  • Muna dori - pegar na altura do peito
  • Ryote dori - pegar os dois pulsos com duas mãos
  • Sode dori - pegar na manga
  • Ushiro dori - pegar por trás
  • Ushiro kubishime - estrangulamento e pegada de um braço
  • Ushiro ryo kata dori - pegar os ombros por trás
  • Ushiro ryo katate dori - pegar os dois braços por trás
  • Ushiro ryo sode dori -pegar as mangas da roupa por trás
  • Ushiro tekubi tori - pegar os dois pulsos com duas mãos por trás

Para incluir, corrigir ou perguntar, pode deixar um comentário ou mandar um e-mail (onegaishimasu.blog@gmail.com).

... o seguinte diálogo entre um aluno de 6 anos e eu:

— Soraya, você também é sensei?
— Não...
— Mas sensei quer dizer professor, né?
— É, mas eu não sou sensei. Tem que treinar muito tempo e se dedicar muito também.
— Então o que você é?
— Sou aluna, igual a você.
— Mas você ensina a gente...
— Aqui, na aula infantil, eu sou assistente, tá bom?
— Tá... o que é assistente?
— Humm... é um tipo de ajudante.

Uns minutos depois:

— Soraya, mas ajudante usa saia igual ao sensei?